[Cobertura] Coolritiba promove diversidade musical em ambiente acolhedor

Nenhum comentário

Coolritiba 2019
Pedreira Paulo Leminski
Curitiba/PR
11 de maio de 2019

Por Kenia Cordeiro e Clovis Roman

O festival Coolritiba aposta em um evento temático, livre de amarras no que tange a ideias impostas por costume no decorrer dos séculos. O ambiente proporcionado pela organização é leve, amigável e colorido. Com essa acolhida, o público perambulou a vontade pelos três palcos (dois com bandas e um com música eletrônica) e pode conferir algumas boas figuras da música nacional na atualidade.

Ainda no começo da tarde, Silva fez um show suave, mas um pouco morno pela falta de uma maior variedade no instrumental. A reação da galera, ainda chegando às dependências da Pedreira Paulo Leminski, foi boa, mas sem muita histeria. Foi uma apresentação que, mesmo assim, foi bem agradável, e pareceu ter passado mais rápida do que de fato durou.

Letrux (foto: Clovis Roman)

No palco Arnica, o Mulamba fez seu show denso e forte liricamente. Vê-las ao vivo é uma experiência impactante. Merecem o palco principal numa próxima. Mais a noite, ali mesmo, Letrux, simpática com o público, fez seu show torto, hipnotizante e com mensagens fortes. Ao final, constatamos que aquela foi uma “Noite Estranha, Geral Sentiu”. Sensacional.

No palco principal, o grupo 1kilo satisfez apenas seus fãs mais ardorosos, composto em sua maioria por adolescentes. O pessoal do grupo foi visto depois no meio da galera, sem frescura alguma. Mas o show em si foi inofensivo. A temperatura subiu mesmo com Criolo, que como já esperado, fez um show violento. Dando nova roupagem às suas canções, a galera conferiu “Convoque seu Buda” com guitarras flertando com o Rock, enquanto que “Casa de Papelão” virou uma viagem eletrônica. Sendo um show em festival, Criolo acertou em cheio em fazer um repertório similar a uma coletânea de sucessos. Alguma coisa nova apareceu, como o single “Boca de Lobo”, mas o foco foi mesmo nos grandes sucessos. Um dos pontos marcantes de seu repertório, que durou 1 hora cravada, foi quando ele convidou o pessoa da equipe técnica do festival para subir no palco tirar uma pira, durante “Subirusdoistiozin”. Do povo para o povo.

Criolo (foto: Clovis Roman)

A noite no palco principal se encerrou com Natiruts, em cujo show houve manifestação anti governo, e Jorge Ben Jor, um dos paladinos da música popular brasileira, em show conciso e também repleto de sucessos. No palco menor, Tiê fez um show intimista e repleto de conversa com a galera que se aglomeravam na boca do palco. Ela mencionou que pesquisou no Spotify as músicas dela que Curitiba mais ouvia, e se surpreendeu com pedidos de músicas dos mais diversos. Em “Amuleto”, um fã foi chamado ao palco para acompanhá-la – sem cantar, apenas atuando como figurante. Belo momento.

Como experiência, o Coolritiba é uma ótima pedida. Há água gratuita, decoração e boas opções de alimentação e bebidas. Quem sabe realocar o palco arnica para melhorar o trânsito da platéia na entrada da Pedreira seja uma boa pedida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s