Furit: Álbum discute como a tecnologia aflora o lado ruim do ser humano

Nenhum comentário

[press-release]

Prestes a completar uma década de estrada, a banda Furit, de Teresina/PI, acaba de disponibilizar seu segundo álbum em todas as plataformas digitais. “Black Mirror” chega ao público numa época em que o assunto tratado no registro é tema de discussões acaloradas desde as salas de aula até séries famosas. Por se tratar de algo que vivenciamos no dia a dia, a banda resolveu discutir as imperfeições humanas relacionadas às novas tecnologias, através das músicas “Truth Game”, “WYSIATI”, “Blood Fascination”, “Eternal Suffering”, “Divide and Conquer”, “#DeathTo”, “Deus Ex Machina” e “Streaming”. Composto entre 2018/2019, “Black Mirror” ganhou suas primeiras versões de estúdio em 2019, quando a banda deu início à sua produção em parceria com Dogão Records. Lançado em todas as plataformas digitais independentemente, o álbum em breve ganhará sua versão física, também através da própria banda.

Apostando num Heavy/Thrash Metal rápido e raivoso, Tk Santos (baixo/vocal), Max Melo (guitarra/backing vocal), Ulisses Melo (guitarra), Lucas Nannini (bateria) fazem jus ao nome da banda. Com nome proveniente do latim, “enfurecido”, e com temática raivosa, o Furit apresenta a insatisfação com o sistema político que domina e com a violência que assola. Indagados sobre a temática que envolve “Black Mirror”, o grupo foi bem enfático: “O próprio título do trabalho revela seu conteúdo. Vivemos em uma era tecnológica, que embora seja benéfica para todos, nos revela o pior dos seres humanos. Algumas faixas tratam temas mais específicos, como “Truth Game” e as fake news, e “Streaming”, enquanto “Blood Fascination” aborda o fascínio por violência, por sangue. Pessoas sempre com celulares em punhos para registrar atos de violência”.

Histórico
O Furit deu início às suas primeiras composições autorais logo no primeiro mês de 2011. Inicialmente atuava como um power trio de baixo, guitarra e bateria, quando em 2012 lançou sua primeira demo, composta por 3 faixas: “The Thunder”, “Let it Bleed” e “Between Death and Life”. Logo a banda mostrou o seu propósito: tocar um Heavy/Thrash metal com as bases fincadas nos grandes ídolos da década de 1980. No final de 2013, Ulisses Melo aceitou integrar a banda, assumindo a guitarra e, em 2014, levou consigo seu irmão, Max Melo, também guitarrista. Nesse ano, a banda deu início a suas apresentações ao vivo e, para aquecer o cenário, lançou o bem aceito single “Hostages of Tyranny”.

Em 2015 ano foi lançada uma seção de vídeos no no Youtube, intitulada “Live at Patrese Studio”, atingindo milhares de visualizações. Em 2016 o grupo deu uma pausa nos shows para a gravação do seu primeiro álbum, The Order Remains The Same, lançado em 2017. No mesmo ano saiu o videoclipe de “Faceless Children”. A banda já carrega a bagagem de ter feito abertura de shows para Tim “Ripper” Owens (ex-Judas Priest) e Krisiun. Em 2018 participou de grandes festivais de Teresina, como o “Teresina é Pop” e “Boca da Noite”.

Confira o álbum “Black Mirror” no Spotify:

Foto: Dyego Lisboa Photography/Divulgação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s