Odisseia musical pelo espaço não mapeado!

Nenhum comentário

Odisseia musical pelo espaço não mapeado! (ou, uma jornada pelas “space operas”)

por Julian Dedablio

“há muito tempo, numa galáxia muito, MUITO distante…” Já se cultivava um fascínio sobre o desconhecido do espaço. A curiosidade pelas estrelas, por vida inteligente em outros planetas andava de mãos dadas com a sonoridade, a linguagem e o storytelling fantástico das space operas, termo cunhado de forma depreciativa ao gênero por Wilson Tucker, em 1941. Contrariando a origem do termo, uma vez que em nada ele tem a ver com as óperas musicais originárias do século XVI, estou aqui pra mostrar que sim, as músicas das obras de ficção, cujo palco é o cosmos infinito, são de fundamental importância, auxílio na ambientação e no entretenimento de um espaço tão vasto (literalmente).

“No espaço, ninguém pode te ouvir gritar” mas, através de um bom flerte entre o silêncio e sons pesados, enquanto épicos, podem transmitir a atmosfera perfeita para sentir a solidão claustrofóbica e ameaçadora que a imensidão negra do vazio pode proporcionar. Jerry Goldsmith conseguiu essa “conversa” com maestria, compondo a trilha sonora dos filmes da série Alien e mostrando que essa dualidade musical entre a calmaria e a tensão podem direcionar o expectador a sentimentos mais pesados e reflexivos, como a independência, o alerta, o senso de urgência…e o medo. Muitos outros compositores se inspiraram em Alien para transmitir a mesma atmosfera em suas obras, como é o caso de Kenji Yamamoto, na série de games Metroid (minha franquia do coração, diga-se de passagem) e Jason Graves, com a série de games Dead Space…causando, respectivamente, momentos de solidão reflexiva e momentos de desespero de gelar até o último gomo da espinha. Among us, a mais recente febre entre os jogadores, parece ter bebido um pouco dessa fonte, com seu tema inicial…

Alien – main theme, por Jerry Goldsmith:

Metroid: Samus Returns – main theme, por Kenji Yamamoto

Dead Space – main title, por Jason Graves

Among Us – main theme, por Forest Willard

O mesmo pode se dizer das space operas, que, reitero, tem tudo a ver com o nome. Eu não terei uma “vida longa e próspera” se eu não citar dois gigantes populares do gênero (embora não sejam os primeiros): Star Wars e Star Trek. A lista de compositores de ST é imensa, mas o responsável pelo tema carismático, Alexander Courage, conseguiu com maestria transmitir o tema épico, enquanto leve, das jornadas da Enterprise e de seus tripulantes. Michael Giacchino também conseguiu este feito, mas pendendo para um lado mais “vamos recomeçar com os dois pés na porta” compondo o tema dos remakes cinematográficos originários de 2009. Igualmente grandioso, e tão magistralmente carismático, John Williams conseguiu a façanha de dar a SW o tempero musical necessário para a trama, com arranjos únicos, sonoridade precisa e, com tudo isso, somos presenteados com o tema vilanesco mais lembrado de todos os tempos: a marcha imperial! (Você já assoviou, ou tocou essa música naquela flauta “doce” de 1,99 que eu sei…haha). Com os games não poderia ser diferente. Martin O’Donnell (Halo) e Jack Wall (Mass Effect) deram seu toque especial para transmitir toda a atmosfera de ambos os games, também considerados space operas…com narrativas intensas e personagens profundos. Até mesmo Koji Kondo, o compositor dos jogos do Mario, tem uma pontinha nesse meio, compondo as trilhas dos jogos da série Star Fox (em contribuição com outros compositores, que foram dando seus respectivos “temperos” a cada novo título), dando aquele “que” de lúdico e cartunesco a temática.

Star Trek – Original Theme, por Alexander Courage

Star trek – main theme (2009), por Michael Giacchino

Confira mais:
Star Wars – Main Theme, por John Williams: https://www.youtube.com/watch?v=_D0ZQPqeJkk

Star wars – The imperial march, por John Williams: https://www.youtube.com/watch?v=-bzWSJG93P8

Halo theme, por Martin O’Donell: https://www.youtube.com/watch?v=JDI1KlXRogo

Mass effect – Main theme, por Jack Wall: https://www.youtube.com/watch?v=yVm_ljDSdwA

Star fox Assault – Main theme, por Yoshie Arakawa eYoshinori Kawamoto: https://www.youtube.com/watch?v=LxVZS_5D0d0

Tema original, de Nintendo 64, por Hajime Wakai e Koji Kondo: https://www.youtube.com/watch?v=-GjdmkjOI7w )

E o que dizer das músicas que tem como papel guiar o ouvinte para uma “experiência sensorial”? 2001: uma odisseia no espaço é um exemplo de como uma música clássica pode conduzir a enaltecer um sentimento e a uma condição: a evolução. Por conta disso, muitos associam a obra Assim Falou Zaratustra, de Richard Strauss, a essa associação e, por consequência, a uma sensação de grandeza. Também podemos exemplificar a sensação do passar do tempo, constantemente trabalhada minuciosamente na trilha de Interestellar, de Hans Zimmer. Aqui a música e os sons são trabalhados de forma a passar ao expectador a sensação de passagem de tempo….quer um exemplo? A cena do planeta Miller (o planeta oceânico): existem pequenas batidas, como segundos, no decorrer dessa sequência. Cada uma delas representa um dia que se passa na terra, na trama do filme. Um pequeno detalhe de composição da trilha que diz muito, não só sobre o cerne da trama, mas como a identidade musical que conversa com o filme. Trabalho minucioso que deve ser levado em consideração.

2001: space odyssey theme, refeito em 1968 por Alex North – Nome Original: Also sprach Zarathustra, por Richard Strauss: https://www.youtube.com/watch?v=QwxYiVXYyVs

Interestellar – Mountains, por Hans Zimmer: https://www.youtube.com/watch?v=o_Ay_iDRAbc

O que todos esses exemplos tem em comum? O fio condutor para a inspiração e composição dessas obras é a infinidade de possibilidades narrativas e passionais que o cosmos pode gerar e inspirar, sem esquecer que, enquanto somos “um pálido ponto azul no universo”, nossas vozes e sons ecoam com essas mesmas inspirações, para as gerações que virão.

“Eu sou um com a música, e a música está comigo”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s