[Resenha] Massacre – Resurgence

Massacre – Resurgence
(Shinigami Records/nacional)

Material gentilmente enviado por Shinigami Records

por Clovis Roman

A banda conta com o retorno do baixista original Mike Borders, que tocou nos primórdios mas nunca havia gravado com o Massacre. Na linha de frente segue Kam Lee , que entrou em 1985, depois de gravar diversas demos lendárias com o Mantas e ficar nos primeiros momento do Death.

As guitarras ficaram a cargo de três músicos: Jonny Pettersson (também responsável pelos teclados e vocais de apoio), Rogga Johansson e Scott Fairfax. Completando o time neste disco, Brynkar Helgeton.

Neste disco, você pode esquecer o fiasco retumbante do horroroso e mal gravado Promise (1996), e pensar mais no clássico From Beyond e no disco de retorno ao death metal, Back From Beyond, de 2014 (nome preguiçoso, não?). Inclusive, Resurgence é melhor que o anterior, com uma produção menos ruidosa e mais nítida, o que aguçou a percepção tanto da parte bagaceira quanto dos momentos mais melódicos.

Aqui, os solos são mais variados, menos na cola do Slayer, apesar de “Servants of Discord” ter um solo que poderia ter sido feito pela dupla King/Hanneman sem problema algum. Por outro lado, “Fate of the Elder” (que num primeiro instante remete a “Homage for Satan”, do Deicide) desfila melodias interessantes em meio a algo mais caótico, em um resultado formidável.

Com participação do ex-Morgoth Marc Grewe, “Book of the Dead” traz uma belíssima sequência de riffs (na pegada do Death antigo) e andamentos mais velozes, a tornando uma das mais indicadas do play para shows ao vivo. Com um trampo primoroso de bateria “Into the Far-Off Void” é outra que começa com ares apocalípticos e depois descamba pra brutalidade.

A cadenciada “Eldritch Prophecy” é uma abertura grandiosa, com riffs arrastados e letais, para então dar espaço para o death metal clássico ‘das antigas’. O vocal de Kam Lee está mais encorpado e poderoso, chegando a lembrar Dave Ingram em certas entonações. Do outro lado do disquinho, “Spawn of the Succubus” mantém a fórmula, com excelentes riffs e “Return of the Corpse Grinder” é uma peça curta e grossa que referência a clássica “Corpse Grinder”, do debut From Beyond (1989). É quase uma releitura atualizada. Fantástico.

O fato de ter três guitarras, no geral, não torna o som mais rico ou intrincado. A mudança sonora do anterior para este play também se deve ao fato de, basicamente, toda a formação ter mudado de lá pra cá.

Tanto faz, afinal, o resultado final em Resurgence, por mais que não reinvente a roda, é bastante efetivo e coeso, com ótimos vocais e linhas de guitarra bastante aprimoradas.

Compre o CD: https://www.lojashinigamirecords.com.br/p-9486068-Massacre—Ressurgence

Músicas:

Chapter 1: The Innsmouth Cycle

1. Eldritch Prophecy

2. Ruins Of R’lyeh

3. The Innsmouth Strain


Chapter 2: The Void Cycle

4. Whisperer In Darkness

5. Book Of The Dead

6. Into The Far-Off Void


Chapter 3: The Cursed Dead Cycle

7. Servants Of Discord

8. Fate Of The Elder Gods

9. Spawn Of The Succubus

10. Return Of The Corpse Grinder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s