[Cobertura] Sonata Arctica traz set curto e cadenciado a Curitiba

2 comentários

Sonata Arctica + Ankhy
Hermes Bar
Curitiba/PR
10 de maio de 2017

por Kenia Cordeiro
fotos por Clovis Roman

O Sonata Arctica se apresentou pela 4ª vez na capital paranaense, como parte de sua atual turnê, que divulga o álbum The Ninth Hour. Para a abertura, através de votação online, foi escolhida a Ankhy, um dos grandes destaques do atual cenário local.

Ankhy
Logo após a abertura da casa, começou a apresentação da Ankhy. O som da banda parece ter agradado a plateia, que demonstrava estar curtindo o show. Curiosamente, alguns membros do Sonata Arctica, como o Elias (guitarra) e Tommy (bateria) assistiram a algumas músicas lá do camarote, na parte de trás da casa. O vocalista Matheus Motta é excelente, e é auxiliado pelos ‘backing vocals’ do guitarrista Olek Nowakowski e do baixista  Caio Vidal, o que dá mais dinamismo ao som dos caras.

Para encerrar, tocaram uma cover de “Carry On” (Angra), apesar da introdução gravada ter parecido um tanto deslocada, os caras mandaram muito bem na homenagem a uma das bandas mais importantes do Brasil, sendo muito bem recebida pelo público, que agitou e correspondeu às intenções dos músicos.

Sonata Arctica
Se a turnê passada (do disco Pariah’s Child) foi marcada por conter diversos clássicos do início da carreira do Sonata Arctica, a gira atual foi caracterizada por uma tentativa da banda em dar uma reformulada no setlist e apresentar ao público músicas que não eram tão executadas ao vivo. Por exemplo: “The Power Of One” (não tocada desde 2002), “Misplaced” e “ Abandoned, Pleased, Brainwashed, Exploited” (ambas não tocadas desde 2006).

Como já era esperado, a maior parte do repertório foi composto de canções do último disco The Ninth Hour, que contém músicas mais cadenciadas, portanto, o show seguiu-se dessa forma na maioria das vezes. Foram executadas cinco canções do novo filhote da banda, dando destaque para a música “Life” onde todos cantaram seu refrão repleto de “la la la’s”.

Além das músicas não tocadas há mais de 10 anos que já foram citadas anteriormente, uma curiosidade sobre essa turnê foi que cinco das canções que compuseram o setlist são as faixas de abertura dos álbuns, a saber: “Abandoned, Pleased, Brainwashed, Exploited” (Winterheart’s Guild, 2003) e “Misplaced” (Reckoning Night, 2004), as animadas “In Black And White” (Unia, 2007) e “The Wolves Die Young” (Pariah’s Child, 2014) e, é claro, a bonita “Closer To An Animal” (The Ninth Hour, 2016), que abriu o show e funciona muito bem ao vivo.

O único álbum deixado de fora do repertório foi o “The Days of Grays” (2009), uma pena, pois teria sido incrível poder apreciar “The Last Amazing Grays” ao vivo.

A bela balada “Talullah” foi cantada por Tony Kakko sentado no palco, como de praxe, em uma interpretação dramática que combinou com a melodia da canção, e foi acompanhada pelo público que cantou a plenos pulmões.

O palco do Hermes Bar tem um formato diferente da maioria das casas de shows, portanto o layout teve de ser reformulado, inclusive um dos painéis da banda acabou ficando no chão, mas isso nada afetou a execução das músicas ou a empolgação da banda.

Um dos pontos altos do show foi com a incrível “Fullmoon”, tendo até paradinha do instrumental para que o público pudesse cantar “runaway, runaway, runaway”. O vocalista Tony Kakko se mostrou satisfeito com a interação do público e agradeceu diversas vezes pela presença de todos e por terem comprado os ingressos, porque isso, segundo ele, é o que mantém a música viva.

O final definitivo veio com “Don’t Say A Word” que sempre é uma boa escolha, emendada com a já conhecida ode a vodka, na qual, Tony fez uma brincadeira com o público, dividindo-o em três grupos, fazendo uma espécie de competição bem humorada, onde ele falava “O que vocês precisam?” e o público respondia em uníssono “vodka!”

O setlist foi reduzido, se compararmos com a turnê anterior, foram 14 canções nesta e 17 em 2015. A ideia de inovar o repertório foi interessante para os fãs mais assíduos, pois tiveram a oportunidade de sair da mesmice e apreciar canções diferentes. Porém, o público estreante pode ter sentido falta das músicas mais conhecidas e já consideradas clássicas.

REPERTÓRIO ANKHY
Helius (The City of Sunrise)
Lunius (The City of Shadows)
Ways to Oblivion
War of the Gods
Unleash the Serpents
Carry on (Angra)

REPERTÓRIO SONATA ARCTICA
Closer to an Animal
Life
The Wolves Die Young
In Black and White
Tallulah
Fairytale
FullMoon
Among the Shooting Stars
Abandoned, Pleased, Brainwashed, Exploited
We Are What We Are
The Power of One

Misplaced
I Have a Right
Don’t Say a Word

2 comentários em “[Cobertura] Sonata Arctica traz set curto e cadenciado a Curitiba”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s