[Cobertura] Psicodalia 2018 celebra harmonia em suas diversas formas

Nenhum comentário

Psicodália 2018
Fazenda Evaristo
Rio Negrinho/SC
9 a 14 de fevereiro de 2018

por Guilherme Moreno

O Psicodália, basicamente, é todo o oposto dos carnavais tradicionais do brasil. Só quem já foi sabe do que estamos falando! São 6 dias acampados e praticamente isolados do mundo exterior – Quase não pega sinal de telefone e 3g – em uma fazenda, em Rio Negrinho – SC. Essa foi a 21ª edição do festival, que contou com atividades 24 horas por dia (shows, cinema, teatro, oficinas e recreação para adultos e crianças), e se firma de maneira independente na lista dos grandes festivais do Brasil!

E onde existe música, também existe Acesso Music! Então confira abaixo como foi nossa experiência nessa festa multicultural:

Público do Palco Lunar (foto: Guilherme Moreno)

O primeiro dia é sempre o mais aguardado. É o encontro de pessoas com emoções semelhantes, desde a fila até a montagem da barraca. Tudo é motivo para uma conversa, uma risada ou uma ideia para ser compartilhada! E a parte musical chegou com a energia que todos estavam desejando.

Carne Doce trouxe a experimentação de synths em uma pegada completamente sensorial, deixando claro que tudo estava apenas começando numa noite que seria quente! Logo em seguida Tutti Frutti entoou grandes clássicos dos anos 70 e proporcionou uma onda de nostalgia em todos que estavam no palco Lunar. Já Mundo Livre S/A mostrou a sua pegada brasileira com muito rock’n’roll em um show cadenciado.

O Bloco da Laje é o bloco de carnaval mais chocante do sul do mundo. Tudo se passa numa narrativa carnavalesca em que a libertação de todos os tabus e todos os preconceitos são o tema central. Os foliões de Porto Alegre, junto com carne doce, fizeram os shows da noite! As expectativas eram muito altas para o show da Machete Bomb, mas por problemas externos, os curitibanos não profanaram como esperavam o palco dos Guerreiros. Altamente prejudicados pela falha do Jack do Amplificador Marshall, que se recusava a gritar as heresias do cavaco do Madu.

Boogarins (foto: Guilherme Moreno)

O segundo dia começa na melhor aposta do Festival em anos, o Palco do Lago! Onde a curitibana Raissa Fayet fez um show intimista e memorável. Boogarins veio jogar fora de casa e ganhou de goleada, só elogios para os jovens goianos que, a cada apresentação, mostram sua maturidade e muita psicodelia.

Lo Borges cometeu alguns pecados na escolha de setlist, onde a calmaria inicial dispersou o público que acabara de “viajar”ao som de Boogarins. Mas a segunda metade do show foi intensa e extremamente nostálgica para os fãs que esperavam os grandes clássicos!

O show do festival ficou por parte dos paulistas da banda instrumental Bixiga 70. Poucas vezes havia presenciado tamanho entrosamento, energia e musicalidade num mesmo palco e com tantos músicos envolvidos.

O terceiro dia foi tomado pela psicodelia, pelos paranaenses e pela lenda! Logo pela manhã os londrinenses da banda Aminoácido foram os responsáveis por uma verdadeira abdução das mentes dos que estavam pela região do Palco do Lago e fizeram, com certeza, um dos melhores shows do festival, energia pura e lisergia na mente! Estrela Leminski e Téo Ruiz marcaram presença no palco do sol com uma apresentação calorosa e riquíssima em construções e arranjos melódicos.  Mas a noite foi da lenda, Zé Ramalho, que lotou o palco lunar e comandou um coro de mais de 6 mil fãs, que estavam ansiosos para a troca musical com o artista!

Mulamba (foto: Guilherme Moreno)

O quarto dia começa com a expectativa do show mais esperado do festival, Jorge Ben! E o público, mais do que nunca, estava no fervor do carnaval! Era possível sentir a aura alegre e muito facilmente ser contagiado por ela. A parte mais emotiva, impactante e enérgica do Psicodália inteiro, em minha humilde opinião de jornalista/músico, ficou por conta das Mulheres da Mulamba! Um sentimento de união e engajamento foi construído no Palco do Sol naquela tarde. Os gritos de milhares de mulheres foram soltos e ouvidos. Algo mudou na vida de todos que tiveram a honra de presenciar esse show. Francisco, El Hombre prepararam de maneira espetacular o público, deixando todos em estado de ebulição! Perfeito para o que viria a seguir…

Jorge Ben é uma entidade. É uma pessoa que muda um ambiente, possui uma energia que se sente a distância! Presenciei lágrimas, abraços, gritos e muita dança nesse show que, com certeza, era o mais aguardado do Psicodália 2018! Um setlist imparável e com tudo que tínhamos direito. “Que perfeição, Meu Deus do Céu!”.

Jorge Ben Jor (foto: Guilherme Moreno)

No quinto e último dia de atividade dos palcos principais já era possível enxergar no semblante de cada um, o início do sentimento de saudade dos momentos no festival e ao mesmo tempo uma certa tristeza pelo término do evento. Pedra Branca energizou a todos com seus mantras eletrônicos e trouxeram uma experiência circense para o palco do Sol, um show extremamente cravado!

A progressividade matemática de Arrigo Barnabé iniciou os trabalhos da última noite do palco Lunar! Tulipa Ruiz brincou, dançou e se soltou junto com o público numa apresentação de extremo bom gosto que mostra todo o potencial vocal da cantora paulista.

Tulipa Ruiz (foto: Guilherme Moreno)

O Psicodália 2018 passou e, além de deixar saudades em todos nós, deixa a ansiedade para a edição 2019… Recomendamos a todos essa experiência e ano que vem, com certeza, nos vemos lá!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s