[Cobertura] Noel Gallagher’s High Flying Birds brilha sozinho no Summer Break Festival

Nenhum comentário

Summer Break Festival
Noel Gallagher’s High Flying Birds + Foster the People

Pedreira Paulo Leminski
Curitiba/PR
07 de novembro de 2018

texto por Clovis Roman Nicholas Pedroso
fotos por Clovis Roman

O Summer Break Festival aconteceu em duas cidades no mês de novembro. No dia 07 de novembro, em Curitiba, e na noite seguinte em São Paulo. Em ambas, as atrações foram Foster the People e Noel Gallagher’s High Flying Birds. A primeira ainda tocou sozinha em Porto Alegre e Rio de Janeiro. O grupo liderado pelo vocalista Mark Foster já tinha vindo ao país em duas oportunidades: 2012 e 2015, em ambas sendo atração do Lollapalooza e fazendo shows solo. Curiosamente, nas duas vezes anteriores que estiveram em São Paulo, além do show no megafestival, também fizeram shows paralelos na cidade, em casas menores.

Foster the People (foto: Clovis Roman)

E quiçá o som do Foster the People tenha sido feito para ambientes mais intimistas mesmo. Em arenas abertas, o apelo dançante e a miscelânea de elementos musicais acaba perdendo sua eficácia. A ultra dançante “Loyal Like Sid & Nancy”, por exemplo, soou como um soporífero, justamente o efeito inverso ao que deveria causar. Claro que sons ótimos como “Call It What You Want”, entretanto, funcionaram muito bem. A questão é que, diferente do lendário show no Lollapalooza de 2012, a banda estava apática, o que refletiu na empolgação da galera. Em muitos momentos até mesmo os fãs que estavam na grade apenas olhavam passivamente.

O repertório teve sons que marcaram e ajudaram o grupo a construir sua trajetória, como “Helena Beat” e “Houdini”, além, claro, do grande hit “Pumped Up Kicks”, já no finalzinho. O repertório focou um pouco mais no álbum Torches (a estreia discográfica dos caras, de 2011), o que explicitou a grande similaridade entre as canções. A bacana “Sit Next to Me” encerrou o repertório, extenso como se fossem a atração principal da noite. Ou seja, os fãs saíram extremamente satisfeitos. Quem não estava muito afim de vê-los, entretanto, não teve a mínima vontade de começar a acompanhá-los de perto daqui pra frente.

Noel Gallagher’s High Flying Birds (foto: Clovis Roman)

O público, infelizmente pequeno para as proporções da Pedreira Paulo Leminski, acordou mesmo na hora do show espetacular de Noel Gallagher e sua High Flying Birds. A banda, que chega a ter mais de 11 membros, dependendo da música, é ótima e entrosada.

O maestro Noel domina tudo, com sua pose despojada e calculada. Ele pode transmitir estar meio de saco cheio de estar tocando, mas os mais atentos notam como ele aproveita cada momento. A abertura com a densa e dançante – e de letra minúscula – “Fort Knox” foi um convite a todos para canalizarem suas energias para Noel, apesar da performance desconcertante da cantora Audrey Gbaguidi, AKA Yseé (que, uma pena, pouco participou do show). O foco da galera foi recompensado com o Rock and Roll simples de “Holy Mountain”, cujo refrão é um grude só.

Mas o rico repertório que de tudo um pouco contemplou, teve o crescendo ameno de “t’s a Beautiful World”, que culmina em seu incrível refrão; o embalo marcado de “In The Heat Of The Moment”; a tocante balada “If I Had A Gun…” (dedicada à fãs próximos da grade, que exibiam uma plaquinha com o nome da referida canção), a tétrica “The Man Who Built the Moon” e até mesmo “AKA… What A Life!”, um tanto insossa em estúdio, mas que soou monstruosa ao vivo.

Noel Gallagher’s High Flying Birds (foto: Clovis Roman)

E claro que teve Oasis. Primeiro, com a galera puxando “Live Forever” acapela, para deleite de Noel, que aproveitou o momento para uma rápida interação. Depois, com pérolas como “Whatever”, antigo single do grupo; o hit indispensável “Go Let It Out”; a belíssima “Half the World Away” e os sucessos estrondosos “Wonderwall” e “Don’t Look Back in Anger”, que, obviamente, tiveram a recepção mais ruidosa da plateia em todo o set. Essa última, inclusive, foi uma catarse coletiva, um momento tocante. Tanto que “All You Need Is Love” (Beatles), que veio depois e serviu de saideira, soou apenas como um mero outro, um simples encerramento protocolar.

O Summer Break Festival em Curitiba reuniu um público acanhado, tanto em números quanto em empolgação, mas nos brindou com uma atração acima da média, que dificilmente viria a Curitiba em outras circunstâncias. Para a abertura, entretanto, quem sabe um ou dois nomes nacionais de peso poderiam ter funcionado melhor.

FOSTER THE PEOPLE
Coming of Age
A Beginner’s Guide to Destroying the Moon
Loyal Like Sid & Nancy
Pay the Man
Life on the Nickel
Waste
Pseudologia Fantastica
Harden the Paint
Are You What You Want to Be?
Houdini
Call It What You Want
Nevermind
Helena Beat
Don’t Stop (Color on the Walls)
Lotus Eater
Blitzkrieg Bop [Ramones]
Time to Get Closer
Pumped Up Kicks
Sit Next to Me

NOEL GALLAGHER’S HIGH FLYING BIRDS
Fort Knox
Holy Mountain
Keep on Reaching
It’s a Beautiful World
In the Heat of the Moment
If I Had a Gun…
Dream On
Little by Little [Oasis]
Whatever [Oasis]
The Man Who Built the Moon
She Taught Me How to Fly
Half the World Away [Oasis]
Wonderwall [Oasis]
AKA… What a Life!
The Right Stuff
Go Let It Out [Oasis]
Don’t Look Back in Anger [Oasis]
All You Need Is Love [Beatles]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s