[Cobertura] Nazareth celebra 50 anos de carreira com show lotado no Tork n Roll

Nenhum comentário

Nazareth
Tork n Roll
Curitiba/PR
31 de outubro de 2019

por Clovis Roman

O Nazareth surgiu em 1968, e se sagrou um clássico do Rock and Roll com músicas pesadas e suas baladas certeiras. Em 2013, o vocalista original Dan McCafferty saiu, por não aguentar mais fazer shows e cantar com regularidade. A banda seguiu em frente, e entre tropeços e acertos, se manteve firme e forte. Após três anos longe do Brasil, e sei de Curitiba, a banda retornou à cidade na qual gravou um disco ao vivo na década passada. O público nas redondezas ama o Nazareth, não à toa foram mais de 2.000 pessoas presentes, um número assustador e, certamente, animador para o mercado do Rock na cidade. Afinal, o Nazareth se junta a Creedence, The Offspring e Bad Religion no hall das bandas que arrastaram uma legião fiel de fãs em suas recentes apresentações. Em uma cidade onde normalmente a venda de ingressas é mediana ou baixa, ter tantos shows lotados em curto espaço de tempo pode ser um indicativo de uma melhora no cenário de shows internacionais na cidade em um futuro próximo.

Nazareth (foto: Clovis Roman)

O Nazareth começou seu repertório por volta de 22h30, o horário já previamente anunciado, com o sucesso “Turn on your Receiver”, que levantou o público que lotou o Tork n Roll. Quem questionou o futuro do Nazareth após a saída do vocalista original Dan McCafferty, em 2013, errou. O grupo escocês, após passar um pequeno período de tempo com um vocalista bastante ruim e sem personalidade (Linton), encontrou no ex-Krokus Carl Sentance seu frontman ideal. O cara domina o palco, tem visual, se movimenta e canta de maneira soberba. Hits radiofônicos como “Dream On” ou “Love Hurts” brilharam com sua interpretação marcante, que em momento algum descaracterizou as gravações originais de estúdio.

E tanto a formação atual é boa que logo a segunda canção foi uma faixa nova, “Never Dance With The Devil”, com vocais de apoio do baixista e dono de tudo Pete Agnew. O músico tem 73 anos, sendo 51 deles dedicados ao Nazareth. Devido a idade, ele se movimenta pouco, entretanto, transmite à platéia uma grande satisfação de estar ainda tocando Rock and Roll após tanto tempo. Suas linhas de baixo e sua consistência ao tocar foram o grande destaque do show, contrastando com o timbre xinfrim de guitarra de Jimmy Murrison, que perdia notas devido a sua falta de precisão nas palhetadas ou quando tocava com os dedos. Nada que tenha tornado o show vacilante, mas sua performance foi a mais apagada do quarteto, afinal de contas, o baterista – e filho de Pete – Lee Agnew foi certeiro em cada momento.

Nazareth (foto: Clovis Roman)

A fantástica “Love Leads to Madness”, que não estava sendo tocada nos últimos shows e voltou ao repertório para o Brasil, foi momento de êxtase, uma verdadeira viagem no tempo, direto para 1982; ela integra o álbum 2XS, o mesmo que conta com “Dream On”. Outra ótima surpresa foi a exibição de “My White Bicycle”, tocada próxima da versão original, com a guitarra fazendo as linhas de teclado e com Carl cantando de maneira vigorosa. Por anos o Nazareth tocou uma versão mais molenga dessa fantástica canção, eternizada no Live in Brazil, material ao vivo que a banda gravou justamente em Curitiba, no ano de 2007. Resgatar a interpretação original foi um acerto, pois a canção soa muito melhor assim.

Nazareth (foto: Clovis Roman)

Do mais recente álbum Tattooed on my Brain, ainda tivemos “Change”, que não fez feio em meio a canções do quilate de “Beggars Day” e “This Flight Tonight”, e a pesada faixa-título, que prova que o pessoal do Nazareth ainda tem muita lenha para queimar. O show acabou com a vigorosa “Go Down Fighting”, em uma noite extremamente quente e com Rock and Roll da melhor qualidade. Explorar outros territórios, como a banda fazia há alguns anos, tocando em cidades com pouca demanda de shows, pode ser uma boa no retorno deles ao Brasil. Sim, eles vão voltar, ao menos mais uma vez. O público de Curitiba certamente vai fazer a banda querer retornar.

REPERTÓRIO
Turn On Your Receiver
Never Dance With The Devil
Razamanaz
This Flight Tonight
Dream On
Love Leads To Madness
My White Bicycle
Change
Heart’s Grown Cold
Beggars Day
Changing Times
Hair Of The Dog
Tattooed On My Brain
Love Hurts
Morning Dew
Miss Misery
Where Are You Now
Go Down Fighting

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s