[Entrevista] Cantor curitibano Henrique Ventura inicia carreira internacional

Nenhum comentário

Após lançar o elogiado álbum “Coração que Sente”, com grande sucesso nas plataformas digitais de streaming, o cantor e compositor curitibano Henrique Ventura está se lançando na carreira internacional. Sua série de shows na Europa acontecem em Portugal, ao lado de Vitor Kley.

Antes de viajar, o artista fez uma apresentação de violão e voz no Menina Zen, onde o jovem atendeu a imprensa para falar de seus planos e inspirações.

por Clovis Roman

Como é montado o seu repertório? Você mescla autorais com releituras de canções que você gosta?
Então Clovis, é exatamente isso que você falou, é uma mistura. Canções minhas, autorais, e releituras, muitas que são referências para mim. Vai desde músicas antigas Stand by Me, sabe? [Aqui ele canta um trecho da canção, autoria de Ben E. King e que recebeu uma lendária versão de John Lennon]. E vai até músicas atuais, como “Morena”, do Victor Kley. Então essa é a mistura.

O álbum Coração que Sente teve bom retorno nas plataformas digitais. Como você compara o digital em relação ao CD físico? Como enxerga essa dicotomia?
Eu acho muito legal ver o CD, com a capa, isso é muito bacana. Mas hoje em dia o digital é muito importante, pelas plataformas e redes sociais. É uma via de mão dupla: A gente joga no digital, faz shows, e divulga presencialmente. Quando mais se faz shows, mais isso ajuda no streaming, e isso se reflete [na quantidade de público] nos shows.

O disco então seria mais um artefato secundário, como uma lembrança?
É, uma lembrança. As pessoas gostam de pegar, ver, dá pra escutar no carro. Mas é mais uma lembrança, um presente, sabe?

Planos para 2020 para novas composições ou lançamentos.
Esse meu primeiro álbum eu lancei de uma vez só, as 10 músicas juntas. Mas o que eu mais gosto de fazer é compor. Eu amo compor. Eu já tenho mais uns dois álbuns pela frente [risos]. Mas a ideia é lançar música por música. Lançar singles, alguns com videoclipe, e quando tiver lançadas as 8 ou 10, aí fecha um álbum.

Você disse que gosta de compor, você já tem a vista parceria com intérpretes para gravarem músicas suas?
Eu já pensei muito nisso. Meu som é mais good vibes, Pop, na onda do Victor Kley. Mas eu já compus uns sertanejos, que tenho interesse de compartilhar, e é um plano para 2020, achar esse networking e crescer também como compositor.

Como surgiu a oportunidade de fazer esses shows na Europa?
A minha agência tem sede em Curitiba, Rio de janeiro e Lisboa. O Victor Kley fará 5 shows em Portugal, e meu empresário de lá viu uma oportunidade de falar com ele. E o Victor me escolheu para fazer a abertura de 4 desses shows. A música “Caminhando…” foi muito bem nas plataformas e isso chamou atenção. Assim surgiu o convite e toda essa oportunidade.

Você não acha curioso começar a entrar no mercado internacional justamente num país que fala português? Isso facilita?
[Risos] Facilita, né? A nossa cultura e a de Portugal são muito parecidas. Tem coisas diferentes, mas muito mais parecidas. Mas é muito bom, pois a comunicação fica mais fácil. Eu falo inglês, e um pouco de francês até, mas é muito mais fácil o português [risos].

Henrique Ventura ao vivo no Menina Zen (foto: Clovis Roman)

Você já cogitou compor canções em inglês ou até mesmo outra língua?
Já, e eu já fiz. Algumas em inglês e em francês, uma. Mas eu quero desenvolver ainda mais. quero ir em português, o Brasil é um país enorme, dá pra fazer muito show por aí. Eu quero conhecer pessoas, lugares, absorver conhecimento e só depois expandir para o mundo. Mas com certeza é uma ideia minha, a longo prazo, expandir além Brasil.

Com quem você gostaria de um dia gravar uma música junto?
Um cara, fora do Brasil, que admiro muito, é o Ed Sheeran. Gosto muito do trabalho dele, do formato de show dele, é só ele com pedal de looping e faz aquela sonzeira, e fica algo gigante. Esse cara é fenomenal, ele seria um dos que eu com certeza ia querer fazer um trabalho junto.

E qual artista você acha que gravaria uma versão bacana de alguma de suas músicas?
Eu já pensei, em músicas que não lancei ainda. Eu fiz um Reggaeton, e eu pensei na Anitta, ficaria legal na voz e gingado dela, essa vibe latina, ficaria bacana. E também na vibe eletrônica, acho que ficaria legal o Bruno Martini, que fez Morena. O som dele ficaria muito legal no remix de alguma de minhas músicas, ou até em composições novas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s