[Resenha] ‘Offline – Sondando o Underground’ é importante documento histórico

Nenhum comentário

por Clovis Roman

O primeiro lançamento da Editora Denfire é um registro histórico de importância inefável, um recorte cujo conteúdo tem grande valor documental. São livros como este que ajudam a narrar esse estilo que tanto gostamos, e que ainda é jovem. E por isto mesmo, Offline – Sondando o Underground, é essencial tanto para jornalistas quanto para aficionados por Rock, Metal, Punk e derivados.

Denfire, o autor, foi correspondente de veículos especializados durante sua estada em Londres, em período que compreendeu 2003 e 2013. Ele cobriu diversos shows e festivais e entrevistou outro tanto de bandas interessantes e importantes para o segmento. Gente grande mesmo, e outros nomes em ascensão. E um punhado de brasileiros.

O Ratos de Porão consta nas páginas por uma entrevista com o baixista Juninho, e é interessante ler algo que não tenha João Gordo ou o Jão, que são os que mais aparecem. Como por padrão o autor preferiu suprimir perguntas mais específicas sobre lançamentos das respectivas épocas, deixando, em sua maioria, as partes mais atemporais, o papo gira em torno de diversos assuntos, como política e veganismo. Inclusive, a política permeia praticamente todas as conversas, com perguntas específicas sobre situações relativas ao tema. Inclusive, há respostas diferentes de diversas pessoas, o que é bacana, pois você vê a interpretação de cada artista sobre um mesmo tema, o que lhe permite conhecer melhor um pouco mais as pessoas que fazem as músicas que você costuma ouvir.

Outro brasileiro é o Torture Squad, em plena divulgação de Hellbound, ainda com o vocalista original Vítor Rodrigues, onde os quatro membros da época contam suas peripécias na Europa ao lado de Exodus e Overkill, e ainda revelam que o crew dessa última foi muito bacana com eles. O Thrashera, ainda um recém-nascido grupo de barulheira retrô, fala de suas atividades, em entrevista conduzida por email.

Na parte gringa, a coisa é bastante rica, indo de veteranos como Mick Box, do Uriah Heep; o débil Bobby Liebling, do Pentagram; e um irritado Lemmy, do Motorhead, a nomes sólidos e influentes em seus respectivos estilos: abrindo o livro, Mark ‘Barney’ Greeenway, urrador e pensador do Napalm Death; e Mille Petrozza, do Kreator, que se define como provável ateu e explica a banda ter voltado a tocar rápido, além do motivo de Renewal ter sido criticado quando de seu lançamento.

O pessoal do punk e hardcore também é representado, com English Dogs, Discharge, Vibrators, UK Subs, Amebix e o veloz e tosco Extreme Noise Terror. Bacana como o autor contextualiza rapidamente cada conversa, antes das perguntas e respostas, o que desperta o interesse do leitor mesmo em relação a artistas que não conhece. Ao contrário do que poderia se esperar, o papo com Henry Rollins é um tanto curto, mas o tagarela Jello Biafra não desaponta nesse quesito, sendo uma das maiores entrevistas do livro, junto com as de Paul Speckmann (Master) e Rick Rozz, do Massacre e ex-Death, que na época, 2009, havia divulgado uma música do projeto M Inc. O English Dogs também preenche diversas páginas. Para a metaleirada, há, além dos supracitados Motorhead e Kreator, nomes como Venom (em dose dupla, com Mike Hickey e Mantas em momentos distintos), Diamond Head, além dos mais brutais Cannibal Corpse, Repulsion e Terrorizer.

Como um belíssimo bônus, há uma pequena compilação de resenhas de shows e de alguns festivais, como Hellfest 2010, duas edições do Rebellion, importante evento de punk/hardcore – mas que chegou a ter o The Animals como atração. Como frisado no começo do texto, este é um documento histórico, imprescindível na prateleira de qualquer punk rocker ou headbanger. O valor do produto, baixo e com correio incluso, é apenas um estímulo extra, assim como o material, um papel brilhante muito bonito, e as fotos exclusivas.

Bandas e artistas entrevistados: Napalm Death, Amebix, Goldblade, Cannibal Corpse, Thrashera, Ratos de Porão, Tiamat, Jello Biafra, Master, Pentagram, Henry Rollins, Gama Bomb, English Dogs, Torture Squad, Kreator, Massacre, Uriah Heep, Nashville Pussy, Repulsion, Mykvs, Extreme Noise Terror, Motörhead, Venom, Broken Bones, Nocturnus, Death Angel, Discharge, Vibrators, UK Subs, Brutal Truth, Diamond Head, Criminal, Terrorizer.

Onde comprar: https://editoradenfire.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s