[Entrevista] Crossplane: Rock and Roll direto ao ponto

um comentário

O Crossplane foi fundado em 2009 e em 2013 lançou seu primeiro álbum completo de estúdio, Class of Hellhound High. Este ano o disco sai no Brasil pela Shinigami Records em parceria com a Nuclear Blast. Contatamos o guitarrista e vocalista Marcel Mönnig, que nos respondeu via email.

Assim como o som do quarteto, vamos direto ao ponto: leia a entrevista abaixo e depois, confira a resenha que fizemos do excelente debut do Crossplane.

por Clovis Roman

O álbum Class of Hellhound High está saindo no Brasil pela Shinigami Records. Qual a relação de vocês com o Brasil?

Oi Clovis, tudo bem? Espero que esteja! Estamos muito felizes que nosso disco The Class of Hellhound High está sendo lançado no Brasil e América Latina via Shinigami Records. Nos últimos meses percebemos que os brasileiros são muito temperamentais. Eles são muito emotivos e sempre nos deram a sensação de que apoiam nossa música. Eles dizem o que sentem e isso é ótimo. Vocês expressam abertamente seus sentimentos.

Inclusive, o videoclipe de “Rock ´N` Roll Will Never Die” foi muito bem recebido por aqui, não é? Como é receber o apoio de um país que a banda ainda não visitou?

É uma sensação indescritível lançar uma música e então perceber que ela chegou tão longe. Especialmente em um país onde a banda ainda não fez uma turnê. Os fãs aceitaram “Rock ´N` Roll Will Never Die” muito bem e a resposta não está diminuindo. Pelo contrário. Está aumentando e estamos muito satisfeitos. Claro, isso só é possível com grandes fãs.

Esse álbum foi produzido por Dennis Koehne, o que ele trouxe falando da experiência e para o resultado final do álbum?

Dennis é um grande produtor e um mestre em sua area de atuação. Sempre fico muito impressionado com o som dos discos que ele produz. Ele é um mago do som, por assim dizer. Ele já produziu bandas como Sodom e Lacuna Coil e muitos mais. Ele sabe exatamente como queremos soar como uma banda.

Liricamente, quais são as mensagens que o Crossplane deseja transmitir ao seu público?
Nossas letras são sobre a vida, os pensamentos que você tem e como reagimos a certas coisas. Não estamos tentando inventar histórias. Elas acontecem ao seu redor. Basta abrir os olhos e não sair do mundo em um sonho. Nós nos divertimos, amamos, bebemos, extrapolamos, morremos e adoecemos, choramos e podemos esquecer muito rápido, mas isso é a vida. Escrevemos sobre isso em nossa música. Acho que somos todos parecidos e por isso as pessoas se identificam com as músicas e, portanto, são bem recebidas.

Quanto à música, Crossplane é uma banda de Rock and Roll. Quais são os demais elementos que compõem esse som característico da banda?
Acho que é uma combinação de todos os elementos. Guitarra, baixo, bateria e principalmente os vocais na forma como canto. O que também é o caso com o Crossplane é que valorizamos um baixo mais alto e ligeiramente rosnado. Não misturado com o fundo como um tapete, mas um pouco mais à frente como um instrumento audível.

Como você teve a ideia de convidar Shagrath para cantar em “I Will Be King”? Vocês já fizeram turnê com o Chrome Division, correto?

Shagrath é um grande artista. Sempre ficamos impressionados com seu desempenho no Dimmu Borgir e no Chrome Division. Pode parecer inacreditável, mas nós apenas convidamos Stian [N. do R.: Nome de batismo de Shagrath] e ele disse: “Estarei lá”. Foi muito legal. Isso, é claro, resultou em um contato permanente e, alguns anos depois, saímos em turnê com o Chrome Division. Foi uma grande experiência. As duas bandas se deram muito bem e gostaram de fazer uma farra após os shows, do mesmo jeito que as bandas de rock n roll fazem. “I Will be King” é, portanto, uma música especial.

Existem planos de curto prazo para um novo álbum de estúdio do Crossplane? Você está compondo música, especialmente em tempos de pandemia?
Nós temos um álbum totalmente pronto, que está aguardando para ser lançado. “Rock n Roll Will Never Die” está neste álbum. É uma pequena amostra do álbum. Não sabemos quando será lançado exatamente, mas estamos realmente ansiosos por isso. Para nós, é um álbum especial, com músicas fortes que vão direto ao fundo. O processo de composição está sempre em andamento. Escrever músicas é divertido.

A propósito, como tem sido não poder fazer uma turnê e promover a música Crossplane por mais de um ano?

Tivemos a sorte de ter feito shows durante o Corona, até mesmo na frente dos fãs, claro, levando em consideração os requisitos da corona. Entre outras coisas, fizemos alguns shows online, por exemplo, no Horror Expo de São Paulo, ao vivo de um clube em Essen, Alemanha, chamado‚ Freak Show. Por isso, tivemos a oportunidade de continuar presentes com a banda.

No álbum de estúdio mais recente, Crossplane trabalhou novamente com Dennis Koehne, mas também com Marcel Mönnig neste papel, assim como com o renomado Waldemar Sorychta. Como foi ter três pessoas produzindo o disco?

Foi um trabalho bem descontraído. Desta vez nos demos um pouco mais de tempo para as músicas para conseguirmos o melhor resultado possível e trouxemos também o Waldemar. Ele tem muitos anos de experiência e trabalhou com muitos outros artistas. Entre outras bandas, por exemplo, Samael, Lacuna Coil, Tiamat, The Gathering, Unleashed. Ele mesmo tocou com Grip. Inc. com Dave Lombardo e no Despair, como guitarrista e produtor. Também trabalhei com ele nos álbuns anteriores. Principalmente quando se trata de cantar. Desta vez, ele se envolveu muito mais no processo de gravação.

Qual banda você acha que gravaria um cover legal de qualquer uma das músicas do Crossplane?

Eu adoraria ouvir como seria o Sepultura tocando uma de nossas músicas. Isso seria demais. Consigo imaginar isto! O Entombed também seria legal (RIP LG Petrov). Ambas as bandas com um som certo, que vai direto ao ponto. Muito obrigado pela entrevista, Clovis. Foi muito divertido. Também gostaria de aproveitar a oportunidade para agradecer aos fãs brasileiros. Obrigado por nos apoiar.

Muito obrigado aos nossos amigos brasileiros. Estamos ansiosos para tocar ao vivo para você no Brasil em breve. You Rock! [N. do R.: Esta última frase ele mandou escrito em português mesmo!]

Conheça mais a banda Crossplane:
Site oficial: http://crossplane.de
Instagram: https://www.instagram.com/crossplane_official
Facebook: https://www.facebook.com/crossplane.band

[edit]
Resenha do álbum Class of Hellhound High: https://acessomusic.com.br/2021/08/09/resenha-crossplane-class-of-hellhound-high/

Compre o disco: Shinigami Records

1 comentário em “[Entrevista] Crossplane: Rock and Roll direto ao ponto”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s