[Resenha] Crossplane – Class of Hellhound High

um comentário

Crossplane – Class of Hellhound High
(nacional – Shinigami Records)

Material gentilmente enviado por Shinigami Records

por Clovis Roman

O Crossplane pode ser rotulado com uma banda dos palcos. Apostando na simplicidade musical e em ápices de agressividade despretensiosa, o grupo alemão formado em 2009 acertou em cheio com este disco de estreia, lançado em 2013 e agora disponibilizado no mercado brasileiro pela Shinigami Records. A energia dos shows foi muito bem retratada no neste ótimo disco, que une a crueza do rock/heavy com uma produção excelente, que evidencia as qualidades do som do quarteto.

O quarteto é formado por Marcel Mönnig (guitarra/voz), Alexander Stormer (guitarra), Andrew Barrett (baixo) e Mark Bridgeman (bateria), e fez turnês ao lado de nomes fortes como Black Label Society, Chrome Division, Gun Barrel e Sodom. Inclusive membros de algumas dessas bandas participam deste CD, mostrando que os caras devem ser todos gente boa. Inclusive, Marcel, com o codinome Celly, toca com o Onkel Tom Angelripper, do frontman do Sodom, tendo gravado com eles alguns dos últimos discos do grupo.

Na área dos convidados, constam nomes como Shagrath (Dimmu Borgir/Chrome Division) – na música e no videoclipe de “I Will Be King” – e Marc Grewe (ex-Morgoth/Insidious Disease), além de Tom Angelripper (Sodom) e Christof Leim (ex-Sinner, The New Black) em Rollin. A dupla, inclusive, aparece no videoclipe.

Desde o primeiro segundo do álbum você entende com o que vai se deparar nos 666 minutos de Class of Hellhound High. O som é um Motorhead turbinado, até a voz de Mönnig remete ao Lemmy, porém em muitos momentos soa mais gutural e raivosa. O disco é uma porrada praticamente do começo ao fim, com proeminência de sons rápidos e raivosos. Não há espaço para muita ginga ou experimentalismos, o negócio aqui é reto, rápido e certeiro. E sujo. “Medusa”, a saideira, dá uma pisada no acelerador, de resto, quase tudo é conduzido em ritmo alucinado.

O refrão excelente de “Take it or Leave It” é um dos muitos encontrados aqui. A letra é, assim como a maioria, bastante simples, falando de música e do estilo de vida rock and roll. O termo rock aparece direto, inclusive no título de uma delas: “The King Of All Rock`n`Roll Demons”. Curiosamente, esta é uma das únicas mais cadenciadas do álbum, o som marcante que é, provavelmente, a música mais redonda de todo o disco. O começo puxado pela bateria lembra “Iron Man”, porém o primeiro acorde de guitarra esclarece tudo.

Outra entre os grandes destaques é “Can’t Bring Me Down”, novamente com refrão marcante e muita energia transbordando dos alto falantes. “Rollin” evoca AC/DC, com sua intro remetendo a urgência de “Let There Be Rock”, porém aqui a coisa é mais malvada – a proposta é ser sujo, direto e rock and roll. Não há muito espaço para melodias, apenas para letras vociferadas por uma voz rouca e energia da sessão instrumental. No mesmo formato e funcionalidade, “Hellride” segue a cartilha. “Dirty Woman” também entrega versos cativantes, com uma letra simples sobre ‘paquera’.

Um riff que lembra o do refrão de “Punishment Through Time”, do Paradise Lost, é a abertura de “Easy Lay”. A similaridade com o lúgubre grupo britânico, entretanto, acaba aí. O som desemboca numa sequência de melodias e vocais sujos, para serem apreciados com um copo bem servido de Jack and Coke nas mãos.

O Motörhead nunca quis mudar o rumo do rock, apenas celebrá-lo no volume máximo, mais alto que todo mundo. O Crossplane vai na mesma pegada, com letras básicas e um trabalho em equipe focado na criação de músicas enérgicas para tocar ao vivo. “We say rock’n’roll is our religion”, como grafado no encarte, é o lema do grupo. Então se você procura simplicidade, seja lírica ou musical, buscando energia pura, o disco do Crossplane é imperdível.

Compre: https://www.lojashinigamirecords.com.br/p-9481512-Crossplane—Class-of-Hellhound-High 

Conheça a banda: http://crossplane.de

Leia aqui a entrevista que fizemos com a banda: https://acessomusic.com.br/2021/06/02/entrevista-crossplane-rock-and-roll-direto-ao-ponto/

Músicas:

  1. Bring the Fire
  2. Killing Machine
  3. Take It Or Leave It
  4. Can’t Bring Me Down
  5. Hellride
  6. Dirty Woman
  7. Rollin
  8. The King Of All Rock N Roll Demons
  9. Easy Lay
  10. Balls
  11. I Will Be King
  12. Medusa

1 comentário em “[Resenha] Crossplane – Class of Hellhound High”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s