[Resenha] Suzi Quatro – The Devil in Me

Nenhum comentário

Suzi Quatro – The Devil in Me

(nacional – Shinigami Records)

Material gentilmente enviado por Shinigami Records

por Clovis Roman

A lendária Suzi Quatro tem mais de 50 anos de carreira e proporcionou ao rock alguns dos grandes clássicos do estilo, como “Crash 48” e “Can the Can”, apenas para citar um par. A veterana artista segue, todavia, produzindo e lançando músicas de similar qualidade. A animação de Suzi com o disco The Devil in Me é perfeitamente justificada, ainda mais tendo em vista o sentimento de empolgação que ele causa nos ouvintes.

O álbum, que traz a capa mais bonita de toda a discografia da artista, é resultado direto da pandemia. Impossibilitada de pegar a estrada, Suzi e seu filho Richard Tuckey se uniram para trabalhar em um novo álbum de estúdio, repetindo a parceria iniciada no disco anterior, No Control (2019). O isolamento social motivou a concepção do disco, e a situação se refletiu nas letras de algumas das músicas, entretanto, de maneira bastante positiva. O otimismo lírico e o ritmo contagiante e dançante do rock and roll fornecido por Suzi Quatro servem de bálsamo para a situação ainda vigente no mundo.

Os rocks grudentos continuam sendo oferecidos em profusão, como a fantástica “Hey Queenie”, perfeita para festas e que deve funcionar perfeitamente em cima do palco, a faixa de abertura, a mais pesada “The Devil in Me”, ou a balançada, com reminiscências disco, “You Can’t Dream It”. Guiada por riffs pesados, gaita e piano, “Get Outta Jail” é um heavy rock de responsa, nascida com cara de clássico. A despojada e visceral “Betty Who?” é um mid-tempo com refrão esplendoroso e a participação especial de Cherrie Currie, a voz original do The Runaways

Mas não é só de energia descompromissada que The Devil in Me é composto. A estonteante balada radiofônica “My Heart and Soul” é um blues/soul tocante, daquelas que entram na programação das melhores rádios românticas mundo afora. Esta faixa havia sido lançada previamente, editada, como single em dezembro de 2020, por sua temática lírica voltada ao natal. Aqui no CD, ela aparece em sua versão completa.

Como o título sugere, “Do Ya Dance” é feita para dançar como se não houvesse amanhã. A faixa agrega elementos de mambo e similares, com metais e percussão viva, resultando em um som que Bruno Mars gravaria sem maiores problemas. Seguindo a caminhada por outras veredas musicais, “Isolation Blues” é outra com nome autoexplicativo. A letra segue uma pegada mais deprê, combinando, portanto, com o andamento musical moderado e triste. É uma canção de ninar alcoólica.

Após dois atos mais suaves, “I Sold My Soul Today” soa ainda mais ruidosa e estridente, com uma letra de amor raivosa, vozes distorcidas e um grito primal como encerramento. Mudando de direção abruptamente mais uma vez, um jazz/blues vagaroso com cheiro de cigarro abre passagem: “Love’s Gone Bad” evidencia a Suzi cantora, que apresenta uma performance soberba, carregada de tensão e whisky.

A sequência final é constituída por uma balada jazzística, “In The Dark” e por sua antagonista,  a alegre e saltitante “Motor City Riders”, outra daquelas com cara de clássico, que caso fosse lançada nos anos 1970, seria um dos maiores hits da cantora e baixista. Aliás, as linhas das quatro cordas nesta canção são primorosas. O disco passeia musicalmente pra lá e pra cá, compilando diversas influências e somando ao rock vigoroso que é marca registrada dos grandes sucessos de Suzi Quatro. Esta andança toda, entretanto, é feita com uma classe descomunal.

No hall de artistas veteranos que seguem lançando materiais de imensa qualidade – onde está gente como Deep Purple, Uriah Heep e Whitesnake – o nome de Suzi Quatro merece destaque. Como ela mesma afirma no encarte do disco: “Eu vos entrego este que considero ser o meu melhor álbum desde minha estreia em 1973”. Como The Devil in Me é um arregaço, não há como discordar.

O Brasil nunca foi rota de Suzi Quatro. Ela chegou a anunciar uma turnê pelo país em 2012, postergada do primeiro para o segundo semestre. Acabou sendo adiada para 2014 – a curitibana Motorocker seria a banda convidada para fazer a abertura dos shows – e depois definitivamente cancelada. Com um disco excelente debaixo do braço, este pode ser o momento ideal para realizar o sonho de diversos fãs no Brasil em ver uma das lendas do rock and roll ao vivo em nosso território.

Compre o disco: https://www.lojashinigamirecords.com.br/p-9482663-Suzi-Quatro—The-Devil-In-Me

Conheça mais: http://www.suziquatro.com/ 

Músicas:

  1. The Devil In Me
  2. Hey Queenie
  3. Betty Who?
  4. You Can‘t Dream It
  5. My Heart And Soul (long version)
  6. Get Outta Jail
  7. Do Ya Dance
  8. Isolation Blues
  9. I Sold My Soul Today
  10. Love‘s Gone Bad
  11. In The Dark
  12. Motor City Riders

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s