[Resenha] Guro – Missa Profana

Guro – Missa Profana

Por Clovis Roman

Este segundo álbum do Guro (Londrina/PR) parece trazer mais referências sonoras que o debut, com passeadas por perto do stoner ou alternativo, porém sem deixar de ser grind, sem deixar de ser satânico. Quem já os conferiu ao vivo sabe que a podreira sonora dos caras predomina sempre.

O começo do disco é puramente grindcore, com a caixa de bateria puxando uma porrada ultrasônica, a faixa-título. Na sequência, a mais cadenciada “Escravos” e a esporrenta “Maconha 666”, que elenca as qualidades e benefícios da planta, em relação a agricultura ou tratamento de doenças. Esta conta com participação especial do João Kombi, do Test.

A estranha “O Diabo Está Ente Nós” (que vem depois da insana “Ninguém Me Representa”) parece uma costura de partes distintas, com riffs tortos e descompassados (saca a intro) e passagens super velozes. Por isto mesmo, é sensacional. A parte em que o título da música é vociferada é poesia pura. Esta é a primeira faixa mais diferenciada deste disco.

Por sua vez, “Pesadelo” fala sobre a insanidade dos posicionamentos e declarações da ex-ministra Damares Alves. Depois falam que a Dilma que não falava coisa com coisa. Abrindo numa linha mais death metal, “Izo” evolui para o caos em seus derradeiros segundos. A intro apocalíptica de “O Mar” poderia ser maior, mas em todo caso o som é espetacular em qualquer momento. Basicamente um rock and roll com vocais agudos e limpos, um Ozzy meio hippie, “Deadly Nightmares” não tem nada de grind aqui. Surpreendente e muito legal.

A devassidão sonora é retomada com “Crackheads with Machine Guns”, com partes lentas bastante funcionais. “Retaliação” é uma das mais curtas, 30 e poucos segundos e mais agressividade que velocidade. Sobre as músicas deste trabalho, conferi um show da banda há alguns meses e eles tocaram cinco faixas novas: “Maconha 666”, “Mão Esquerda”, “O Mar”, “Pesadelo” e  “Retaliação”, que somadas duram 5’11’’. Simples estatística curiosa.

Leia aqui a resenha do show do Guro em Curitiba: https://acessomusic.com.br/2022/02/13/cobertura-grind-e-punk-no-palco-do-92-graus

O disco encerra com chave de ouro com “The Eyes of Death”, mais death metal em várias passagens, com algo de stoner nas guitarras. A embalagem do álbum Missa Profana é tão foda quanto o conteúdo musical. O CD vem em caixa de acrílico com slipcase e um poster com uma arte inédita, com um personagem bastante divertido e amigável. 😉

O disco conta com 17  músicas e dura cerca de 25 minutos, o que dá uma média de um minuto e meio por faixa. Não tem fillers, não tem encheção de linguiça. Porradaria pura, insana e que não se furta em trazer sonoridades alheias ao universo do grindcore. O Guro é uma das bandas com mais identidade dentro deste universo musical. É uma fodice num nível elevado demais. Junte-se à missa profana do Guro.

O lançamento é uma coleboração dos selos Capetoize Distro, Cianeto, Eronnimous Records, Undergrind Rec e Quedabrupta.

Músicas

  1. Missa Profana 01:18
  2. Escravos 01:52
  3. Maconha 666 01:32
  4. Solitude 01:19
  5. Morte ao Proletário 01:43
  6. Ninguém Me Representa 00:35
  7. O Diabo Está Entre Nós 03:17
  8. Mão Esquerda 00:46
  9. Izo 01:41
  10. O Mar 01:42
  11. Empresas 00:54
  12. Pesadelo 00:36
  13. Ética da morte 01:05
  14. Deadly Nightmares 02:26
  15. Crackheads with Machine Guns 01:32
  16. Retaliação 00:35
  17. The Eyes of Death 02:33

Formação

Eron Bueno – Vocal
Thiago Franzim – Guitarra
Francisco Paiva – Bateria

Conheça mais a banda Guro: www.facebook.com/gurodeath

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s