[Resenha] Jailor – Stats of Tragedy

Nenhum comentário

Jailor – Stats of Tragedy
(independe – 2015)
Nota: 9,5

Por Clovis Roman

Levou uma década, mas o Jailor finalmente colocou no mercado seu segundo álbum. O grupo de Thrash Metal de Curitiba manteve inalterado o seu foco musical, calcado no Thrash Metal. São 8 músicas (introdução não conta, obviamente) em 44 minutos de massacre incessante. Após a curtinha “G.O.D.”, “Human Unbeing” entra arregaçando, com belos riffs e solos. Os vocais de Flávio Wyrwa (vulgo Pestana) continuam bastante viscerais, e volta e meia rolam uns gritinhos caricatos do estilo. A faixa título que vem a seguir consegue ser ainda mais devastadora, petardo da mais alta qualidade.

A estréia fonográfica do Jailor aconteceu em 2005, com Evil Corrupts. De lá pra cá, a formação teve algumas alterações. Apesar de no encarte (na verdade, na revista que acompanhava o CD) aparecer uma foto de Sonne Oliveira, quem gravou a bateria naquele trabalho foi Daniel Higa. Após algumas mudanças, o cargo foi ocupado por Jefferson Verdani (ex-Sadsy), que tem desempenho acima da média em Stats of Tragedy. No baixo, permanece Emerson Niederauer, que já passou pelo Doomsday Ceremony. Há 10 anos, Pestana era responsável pelo vocal e pelas seis cordas. Ele largou o instrumento, ficando apenas como frontman. Para a segunda guitarra (o outro é Daniel Hartkopf) foi chamado Alessandro Guima, que tocou no Evilwar sob a alcunha Halphas. Com o Jailor, o cara arriscou até um backing vocal na faixa “Throne of Devil”, na parte onde brada “666”. Essa, um dos destaques do trabalho, tem um instrumental que soa como uma homenagem ao grande Chuck Schuldiner, pois lembra muito o trabalho do Death da fase pós-Human. A seguinte, “Merciless Punishment”, mantem o clima da anterior. É a melhor do disco.

Apesar de ser um novo disco, há nele composições muito antigas. É o caso de “The Need of Perpetual Conflict”, que estreou ao vivo em 2006. Ela, portanto, levou nove anos para ser eternizada em material físico. Outras como “Ephemeral Property” e “Jesus Crisis” também já vinham sendo apresentadas ao vivo há um bom tempo. Se for para citar um ponto baixo de Stats of Tragedy, sobrou para o novo logotipo. Ele foi alterado. Não foi algo tão drástico assim, mas seus contornos tiraram um pouco o charme da identidade visual da marca. Em compensação, a capa é estupenda. Uma das mais bonitas de 2015, sem dúvidas. Corra, compre e ouça tomando algumas cervejas (Heineken, de preferência).

MÚSICAS
1. G.O.D.
2. Human Unbeing
3. Stats Of Tragedy
4. Throne Of Devil
5. Merciless Punishment
6. Jesus Crisis
7. The Need Of Perpetual Conflict
8. Ephemeral Property
9. Six Six Sickness

FACEBOOK
www.facebook.com/jailorthrash

PARA COMPRAR “STATS OF TRAGEDY”
jailorthrash@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s