[Resenha] Sunrunner – Ancient Arts Of Survival

Nenhum comentário

Sunrunner – Ancient Arts Of Survival
(Material enviado por Som do Darma)

por Clovis Roman

A banda americana Sunrunner chega ao seu 4º disco de estúdio com Ancient Arts of Survival, alcançando o auge – até aqui – de sua criatividade. Lançado no final do ano passado em Europa e Estados Unidos pela Minotaur Records, o álbum Ancient Arts of Survival chama atenção pela sonoridade do Rock setentista fundida com o Progressivo e o Heavy Metal. Portanto há riffs melódicos em profusão, longas sessões instrumentais e vocais que mesclam rispidez com suavidade com destreza ímpar, de maneira natural.

A abertura – depois da intro “Dawnland” – é a extensa “Tracking the Great Spirit”, que reúne em si todos os pontos supracitados. O som chega a remeter a nomes como Witchfynde e até mesmo Candlemass, mas com um toque de Yes e afins. Há identidade no som dos caras, obviamente, mas as referências são notáveis. Um pouco mais enxuta, mas ainda bastante longa, “Inner Vision” traz diversas camadas e variações, que criam um som dinâmico e que desperta no ouvinte e curiosidade em saber o que virá depois. Compacta, “The Scout” foi escolhida para ser videoclipe.

Com leves sugestões de Jazz em sua intro, logo “Prophecy of the Red Skies” vira um Heavy Prog, com andamento Pop, onde novamente as vozes se destacam. Assim como a maioria das faixas, ela é extensa, ultrapassando a marca dos 10 minutos. Aliás, descontado-se a introdução e o interlúdio “Distorted Reflection”, as composições aqui tem quase 9 minutos de duração média. Fazer isso funcionar em disco, ainda mais numa época onde a oferta é muito maior que a procura, é coisa para poucos. Mas o quarteto consegue cativar o ouvinte com relativa tranquilidade. Como não há urgência em entregar um material de fácil consumo, eles conseguiram trabalhar melodias, sonoridades e nuances das mais diversas de maneira consciente. O resultado é fantástico, pois é difícil ouvir um álbum onde absolutamente nenhuma de suas partes pode ser considerada dispensável. Tudo aqui tem seu propósito e se conecta com o resto. O encerramento, com os quase 20 minutos de “Stalking Wolf”, apenas condensa tudo isso, com a adição de riffs ‘Doom’ que dão à ela um peso colossal.

Nas letras, o disco aborda um tempo em que a humanidade não tinha de se apoiar na tecnologia para sobreviver. É uma viagem, mas o clima lírico bucólico não se reflete no som, sempre vigoroso, mesmo em suas passagens mais amenas. Solos de guitarra e riffs sempre marcam o andamento, assim como as linhas vocais do vocalista brasileiro Bruno Neves, que estreia em disco com a banda em grande estilo, com belas vocalizações e um timbre que às vezes lembra o excelente – e desaparecido – Jan Barnett, ex-Rough Silk. Suas partes, inclusive, foram de fato gravadas no Brasil. Que os laços do grupo com nosso país tornem mais fácil um retorno do quarteto pra cá. Eles vieram em 2016, e de acordo com o site oficial deles, foi uma ótima experiência. O atual álbum, se não supera o anterior, o fantástico Heliodromus, ao menos mantém a mesma qualidade. Os vocais, ao menos, estão melhores.

MÚSICAS
1. Dawnland [instrumental] – 00:34
2. Tracking the Great Spirit – 07:06
3. Inner Vision – 06:27
4. The Scout – 04:36
5. Prophecy of the Red Skies – 10:38
6. Distorted Reflection – 01:36
7. Arrive Survive Awaken Thrive – 05:27
8. Palaver – 08:22
9. Stalking Wolf – 19:39

Conheça mais:
Site: www.sunrunnermusic.com
Bandcamp: sunrunnermusic.bandcamp.com
Facebook: www.facebook.com/sunrunnermusic

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s