[Cobertura] The Sisters of Mercy pega pouco público em Curitiba, The Secret Society se afirma como grande nome local

Nenhum comentário

The Sisters of Mercy + The Secret Society
Opera de Arame
Curitiba/PR
08 de novembro de 2019

por Clovis Roman

A britânica The Sisters of Mercy é uma referência do Rock Gótico, por mais que eles mesmos não gostem de usar esse rótulo. O grupo, liderado pelo vocalista Andrew Eldritch, lançou apenas três álbuns, sendo o mais recente deles, Vision Thing, de 1990. Sim, há quase 30 anos a banda não tem novos trabalhos de estúdio. Mas seu legado é o suficiente para manter a banda na ativa. Mesmo com sua importância indubitável, o conjunto britânico não conseguiu encher as dependências da Ópera de Arame, um ótimo local para um show desses. O público girou por volta de 600 pessoas, mas esses, ao menos, curtiram bastante o repertório extenso apresentado por Andrew e companhia. Aliás, ótima companhia.

O guitarrista Dylan Smith, novo na banda, substituiu Chris Catalyst, que estava concomitantemente com o Ghost, decidindo se dedicar exclusivamente à essa última há poucos meses.O outro guitarrista do The Sisters of Mercy é Ben Christo, que é o maestro musical da banda em cima do palco. Na abertura, com o megahit “More”, ele, para um desavisado qualquer, parecia ser o líder, pois inclusive cantou partes da música com certa empolgação. Para o público brasileiro, é difícil não ouvi-la sem lembrar de Andre Matos, cantor falecido esse ano, que havia regravado a música no disco Reason, do Shaman, em 2005.

Andrew Eldritch –  The Sisters of Mercy (foto: Clovis Roman)

Andrew, na abertura, se manteve soturno, ao centro do palco, com sua voz cavernosa e pálida, como manda o figurino. Era o que os fãs queriam, inclusive. No decorrer do set, ele se movimentou um tanto, mas de maneira lerda. Era visível, e quase palpável, a má vontade dele em estar ali. Não afetou o show como um todo, mas o cara certamente tá de saco cheio de shows, viagens e tudo relacionado. Interação com o público? Zero.

Completam a formação Ravey Davey, responsável por operar o Doktor Avalanche (a bateria eletrônica), e também o técnico de luz Lee Spiller, que tocava uma keytar. Mas ele não estava posicionado no palco, e sim na chamada ‘house mix’, onde fica a mesa de som e luz, no fundo da casa de shows. Praticamente ninguém viu ele, mas ele estava lá, tocando e operando o sistema de iluminação.

Técnico multiuso – The Sisters of Mercy (foto: Clovis Roman)

Ben, que também toca no Ghost e está no Sisters desde 2006, se destacou em outros momentos, como “Crash And Burn” e “Dominion/Mother Russia”. E toda banda teve seu momento de protagonismo, quando Andrew saiu para fumar e eles tocaram uma – ótima – canção instrumental sem título. A colossal “No Time to Cry” soou opaca em uma interpretação letárgica.

Destacaram-se em um show monocromático, canções como “Better Reptile”, a melodiosa e soturna “Marian” e “Something Fast”, com Dylan empunhando um violão e fazendo bons vocais de apoio. Além, claro, das canções do encore, as inquestionáveis “Lucretia My Reflection” (regravada magistralmente por Warrel Dane), um dos momentos mais tétricos de todo repertório, a fantástica “Vision Thing” e a gigantesca “Temple of Love”, aquela cuja introdução lembra bastante Fear of the Dark, do Iron Maiden. Por fim, “This Corrosion” encerrou o show.

Ben Christo – The Sisters of Mercy (foto: Clovis Roman)

REPERTÓRIO – THE SISTERS OF MERCY
More
Ribbons
Crash and Burn
Doctor Jeep / Detonation Boulevard
No Time to Cry
Alice
Show Me
Dominion/Mother Russia
Marian
Better Reptile
First and Last and Always
Instrumental
Something Fast
I Was Wrong
Flood II

Lucretia My Reflection
Vision Thing
Temple of Love
This Corrosion

The Secret Society
Se para Andrew tudo é um fardo, para o trio formado por Guto Diaz (baixo/vocal), Orlando Custódio (bateria) e Fabiano Cavassin (guitarra) estar em cima do palco é energizante, apaixonante, envolvente. Em cerca de 40 minutos, o The Secret Society apresentou canções que pouco se distanciam da atração principal da noite. Entretanto, todos eles demonstraram o prazer de apresentar suas canções ao público, que começou ressabiado, mas mais para o final já havia se rendido. Comentários diversos daqueles que não os conheciam ainda foram unânimes, em aprovação.

The Secret Society (foto: Clovis Roman)

O setlist deles passeou por músicas mais antigas, como “Beyond the Gates”, “Fields of Glass” e a magnífica “The Architecture of Melancholy”, cujo belíssimo videoclipe é uma das mais belas obras visuais já registradas na cidade. A amargura que essa música carrega é ao mesmo tempo tensa e libertadora. É uma vibrante caminhada em um túnel escuro com odores embolorado, mas de onde é possível vislumbrar uma distante luz. Ela parece catalisar nossa própria dor da existência e expeli-la de maneira a nos aliviar, como um bálsamo, mesmo que paliativamente.

Seguindo com seu repertório, o vocalista Guto explica que a banda lançou seu primeiro álbum, Rites of Fire, e convida a todos a conhecer o trabalho. Aí então vieram músicas como “Rubicon”, “The Final Cut” e a faixa título. O final, um tanto precoce, mostrou que a banda segue a passos firmes para se tornar uma referência definitiva da música criada em nossa cidade. Afinal, além de ótimas canções, todos são músicos experientes – todos eles já tocaram no Primal, banda seminal do Rock/Metal curitibano dos anos 90. Tanto que eles não só tocaram com o The Sisters of Mercy em Curitiba, como os acompanharam em toda a turnê latino-americana dos britânicos.

Guto Diaz – The Secret Society (foto: Clovis Roman)

REPERTÓRIO – THE SECRET SOCIETY
Mephistofaustian Transluciferation
Beyond the Gates
Fields of Glass
Rites of Fire
Mercy
The Final Cut
The Architecture Of Melancholy
Rubicon

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s