[Entrevista] Edu Falaschi revisita seu catálogo em formato intimista

um comentário

O vocalista Eduardo Falaschi, trabalhou muito após sair do Angra. Na época, ele já tinha o Almah, que chegou a lançar cinco álbuns. Ainda teve coletânea, disco acústico e uma banda com dois ex-colegas de Angra, Aquiles Priester (bateria) e Fábio Laguna (teclado), a Rebirth of Shadows. Uma das turnês que renderam bons públicos ao redor do Brasil e vai culminar no lançamento de um CD/DVD ao vivo, foi aquela na qual tocaram o lendário álbum Temple of Shadows na íntegra, junto a uma orquestra.

Depois desses shows gigantes, repletos de convidados e com grande estrutura, Edu optou por trilhar o caminho inverso, fazendo shows acústicos, baseados no álbum solo Moonlight (2016). No dia 21 de março está agendada uma apresentação do cantor no pequeno auditório do Teatro Positivo, em Curitiba. E sobre esse contraponto, o vocalista comenta que “foi de certa forma proposital! A “Temple Of Shadows In Concert” foi muito intensa! Principalmente o DVD, então esse show mais acústico foi super bem-vindo! Mas no fim o projeto cresceu também e virou turnê com uma linda produção cênica e uma banda de peso. É lindo demais“, afirma.

Edu Falaschi na Opera de Arame, em Curitiba, 2019 (foto: Clovis Roman)

E essas datas são especiais, afinal, Falaschi já tem outros planos para o futuro de sua carreira: “Já tenho planejamento até o fim de 2021. Terei muitos lançamentos e novidades. Em breve lançarei mundialmente o DVD/Bluray com orquestra. Daí entro em estúdio para gravar um disco de inéditas e obviamente virão shows. E em 2021 estarei em celebração dupla, com meus 30 anos de carreira e os 20 anos do Rebirth [N. do R.: seu disco de estreia no Angra, em 2001], isso junto com a turnê do meu disco novo“. Portanto, os shows nesse formato intimista serão uma oportunidade única, pois “se tiver serão apenas mais alguns shows da Moonlight Acoustic Tour“, explica.

Sobre o repertório, há músicas do Almah, várias do Angra e uma do Symbols, a belíssima balada “Hard Feelings”. Sobre, quem sabe tocar mais canções dessa sua banda, a primeira que de fato lhe deu projeção, e que culminou com sua entrada no Angra, ele explica que “Pensei, claro, mas existem prioridades, as minhas canções da época de Angra são as mais pedidas“, argumenta.

Para encerrar o rápido papo, Edu respondeu nossa clássica pergunta: Qual banda ou artista ele acha que gravaria uma versão bacana de alguma de suas músicas? “Obviamente o que vou falar é uma utopia, mas seria lindo ver o Bruce Dickinson cantando a Heroes Of Sand [risos]“, concluiu. Certamente seria.

Há promoção de compra de ingressos via Peixe Urbano.

SERVIÇO
Edu Falaschi – Moonlight Celebration Tour
Data: 21 de março de 2020
Local: Teatro Positivo – Pequeno Auditório
Endereço: R. Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300 – Campo Comprido
Horário: 21h
Ingressos: R$ 70 (meia-entrada, com taxa inclusa)
Venda online: www.diskingressos.com.br/event/927
Evento no Facebook: www.facebook.com/events/2504499789664323

Foto de capa: Reprodução do flyer

1 comentário em “[Entrevista] Edu Falaschi revisita seu catálogo em formato intimista”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s